terça-feira, 28 de junho de 2011

Pré-historia

Ha dias em que a mão escrava
Escreve e escava
cimentos secos
resíduos sólidos
arquivos mortos

E cravando suas garras
la no fundo
Desenterra segredos
moribundos
Removendo
todo o entulho de palavras.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Telefone sem fio

Telefone sem fio:
Cortaram a linha
Contaram segredos
Inventaram palavras
(Ao pé do ouvido)
E para abafar o zunido
Que vinha dos outros
Colaram os rostos
Em sinal de ocupado.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Arretado

Eu corria tão fora de forma
Tentando chegar na plataforma
Antes do apito final

Quando eu te vi -
meu bem! -
Percebi que essa
Não era a minha linha!

Mas o aperto do trem
Me fez virar sardinha

E eu só fui descer
no terminal.


* Parodia de/para a própria autora! rs.
Ver "N'arrêt", de 18 de julho de 2009:
http://golpesdegrafite.blogspot.com/2009/07/narret.html